Especialistas em protecção contra o raio

Pára-raios Aplicaciones Tecnológicas - Especialistas em proteção contra o raio, sobretensões e detectores de trovoadas.

APLICACIONES TECNOLÓGICAS UTILIZA COOKIES NESTA PÁGINA WEB

Pode consultar informação detalhada sobre as cookies e a sua utilização na nossa Política de cookies.

Ao fazer click em “Aceitar e continuar” estará a reconhecer que aceita o uso de cookies no seu computador.

Queremos mantê-lo informado sobre as novidades referentes aos Sistemas de Proteção contra o Raio (para raios, proteção contra sobretensões, detetores de trovoadas), atualização das normas existentes, desenvolvimento de cursos especializados de formação, jornadas técnicas, assim como das várias aplicações e downloads disponíveis.

ATSTORM: o sistema inteligente de deteção de trovoadas

31/01/2019

Um detetor de trovoadas é um dispositivo que permite alertar sobre o risco de queda de raios em áreas que necessitam de ser protegidas perante os efeitos das descargas elétricas atmosféricas. ATSTORM, desenvolvido por Aplicaciones Tecnológicas, é o sistema inteligente de deteção de tempestades capaz de proporcionar alertas prévios a nível local.

ATSTORM: Deteção de trovoadas    

Prevenção de riscos derivados de tempestades elétricas

É fundamental ter em conta que as tempestades são fenómenos naturais inevitáveis, que podem supor uma grave ameaça para pessoas, bens, serviços e meio ambiente. A queda de um raio pode ocasionar grandes efeitos destrutivos. Em todo o mundo originam mais de 20.000 mortes e 24.000 lesões a cada ano, valores que devem ser seriamente considerados.

A utilização de um sistema inteligente local de alerta antecipada como o ATSTORM®, tanto para as trovoadas elétricas que se formam sobre a área a proteger como para as que chegam a partir de outros pontos distantes (até 40 km), vai permitir a aplicação de ações de prevenção temporais capazes de evitar ou minimizar os potenciais danos.

ATSTORM proporciona dados que facilitam bastante a tomada de decisões, permitindo deter a atividade normal apenas durante o tempo de risco e restabelece-la quando este termine.

Uma deteção no local, onde não se conhecem as condições de risco locais reais, pode alargar de forma desnecessária um estado de alerta, prolongando o termo da atividade mais além do necessário. ATSTORM® baseia-se nas condições locais, pelo que otimiza a duração dos alertas, evitando com isso o desaproveitamento de recursos humanos e maquinaria.

A única forma de evitar ou minimizar os efeitos de uma tempestade elétrica, é mediante um sistema de prevenção. Devemos descartar métodos pouco fiáveis e desfasados como a regra do 30/30.

Deteção de trovoadas

As tecnologias mais empregues nos detetores de trovoada são:

Baseadas num sensor de campo eletrostático. São sistemas que monitorizam a evolução do campo eletrostático ambiental, o qual é produzido pelas descargas elétricas presentes nas nuvens de trovoadas. Este fenómeno pode ser detetado desde a primeiro fase da formação da tempestade, desta maneira, o alarme pode-se antecipar à primeira descarga.

Baseadas num sensor de campo eletromagnético. Estes sistemas detetam os impulsos eletromagnéticos gerados pelas descargas elétricas, portanto, apenas podem produzir o alarme após a queda do primeiro raio.

Aplicaciones Tecnológicas desenvolveu e patenteou um Sensor Eletromagnético de Campo Controlado, para colmatar os handicaps dos tradicionais moinhos de campo, evitando partes moveis.

Características do ATSTORM®

ATSTORM® e um sistema que une ambos os tipos de sensores num mesmo dispositivo, o que se torna altamente eficaz para alertar do risco de queda de raios, já que é capaz de detetar as trovoadas que se formam sobre a área a proteger como aquelas tempestades elétricas ativas que se aproximam da área alvo.

É um dispositivo de alerta prévia de tempestades de classe A e B segundo a norma IEC 62793.

É composto por:

Sistema de duplo sensor

ATSTORM dispõem na sua cabeça de dois sensores que medem em tempo real o campo eletrostático do ambiente e o campo eletromagnético.

ATSTORM:DETECTORES-DE-TROVADA

- Sensor electroestático: Monitoriza as condições de formação de tempestades elétricas sobre a área alvo (área de extensão física onde o aviso é necessário), com dezenas de minutos de alerta antecipado. É uma informação diretamente relacionada com o risco de queda de raio.

Trata-se de um sistema totalmente eletrónico e sem partes mecânicas moveis, o que evita desgastes, obstruções e avarias e, supõe uma redução considerável em manutenção.

- Sensor electromagnético: Deteta tempestades elétricas ativas que se aproximam do objeto num raio de 40 km. Dando uma estimativa da distância a que se encontra a tempestade em relação à zona a proteger. Esta informação é complementar à informação do risco dada pelo sensor do campo eletrostático.

Sistema múltiplo de deteção

Cada projeto de instalação de um sistema de alerta prévia de tempestades, requer um estudo em profundidade. A configuração do dispositivo, o número de sensores necessários e a localização dos mesmos, será determinada pelo clima, pela geografia, pelo meio ambiente e pela morfologia do lugar objetivo.

Graças às unidades de deteção redundantes, que permitem uma adaptação às condições locais e à envolvente da localização, ATSTORM garante uma exatidão sem precedentes.

Sistema de comunicações

A comunicação a partir do sensor instalado, passando pelos servidores e chegando às nossas ferramentas de controle, leva-se a cabo através de uma rede privada (VPN).

ATSTORM Comunicaçao

O nosso sistema garante a redundância através de 2G/3G e comunicação LAN. O seu funcionamento baseia-se num sistema global M2M e com canais concretos para assegurar a entrega dos dados.

Sistema de aquisição e processo

ATSTORM® é um sistema especialista de deteção local de trovoadas, que garante o ótimo e ininterrupto funcionamento, graças a:

  • Servidores em instalações redundantes.
  • Monitorização remota a partir da AT.
  • Largura e banda privada para a rede de comunicações
  • Melhoria contínua dos algoritmos que processam as leituras do sensor, aumentando gradualmente a sua adaptação às características locais.
  • Estabilizadores de carga para assegurar uma resposta imediata do sistema.
  • Sistema de alimentação ininterrupto (SAI) que apoia toda a infraestrutura.
  • Supervisão permanente das leituras das unidades de deteção e dos serviços de sistemas de alerta.

Sistema de alertas

Os avisos de risco podem chegar por diversos canais: portal privado web, telemóvel, tablet, emails e mediante automatização com módulo relé remoto. Um sistema de gestão multicanal para que nenhum alerta passe despercebido.

Aplicaciones Tecnológicas desenvolveu uma APP para notificações e alertas push em tempo real.

ATSTORM Comunicçao App

O sistema inclui também um portal privado para o cliente, a partir do qual se podem gerir as diferentes unidades da rede de gestão. Através dela pode-se aceder a uma visão global de todos os lugares protegidos, leituras em tempo real, níveis de alerta e histórico de dados para analisar.

Pode-se ligar o módulo relé remoto associado aos alarmes de um sistema de deteção. Este módulo incorpora 4 saídas livres de potencial ou de contacto seco. A ativação ou desativação dos 4 relés de contacto seco, realiza-se à distância para que todo o processo seja 100% automático.

A localização deste tipo de dispositivo é independente da unidade de deteção, já que não é preciso que estejam ligados por cabo. Trata-se de um sistema que admite flexibilidade nos sistemas de alarmes: sistemas de megafone, painéis, unidades SAI, sirene, luz, estroboscópico, etc.

Âmbitos de aplicação dos detetores de trovoada

Contar com informações oriundas deste tipo de sistemas de aviso é muito útil para os responsáveis de tomada de decisões (administração estatal, local, empresas privadas ou públicas) que precisem de proteger tanto pessoas como bens materiais dos efeitos adversos de uma trovoada elétrica.

A norma internacional IEC 62793 recomenda a sua instalação para:

  • Responsáveis de prevenção de riscos laborais.
  • Prevenção de perdas em operações e processos industriais.
  • Empresas que operam a céu aberto como mineiras, estaleiros, energia, etc.
  • de risco potencial como petróleo, gás, químico, nuclear etc.
  • Continuidade dos serviços básicos:
    • Telecomunicações, geração, transporte e distribuição de energia.
    • Serviços sanitários e de emergência.
  • Defesa, equipamento militar, quarteis, telecomunicações, etc.
  • Operadores de infraestruturas com aeroportos, portos, estradas, autoestradas, caminhos de ferro, teleféricos, etc.
  • Responsáveis de atividades ao ar libre: desportivas, culturais, turísticas, etc.
  • Pessoas em zonas abertas em diversos âmbitos:
    • Trabalhos, desportos ou atividades em exteriores.
    • Competições e eventos multitudinários.
    • Atividades agrícolas, de gado e pesqueiras.
  • Administrações públicas responsáveis de espaços abertos como parques, praias, municípios, etc.
  • Proteção civil e meio ambiente.
  • Setores de utilização intensiva de tecnologia eletrónica, para salvaguarda de bens sensíveis:
    • Centros de processamento de dados
    • Industria
    • Hospitais
    • Sistemas informáticos
    • Controles elétricos ou eletrónicos
    • Sistemas de emergência, alarme e segurança.
  • Estruturas com áreas ao ar livre abertas ao público.

Devemos recordar que os detetores de trovoadas são ferramentas preventivas que não substituem a proteção externa contra o raio nem a proteção interna contra sobretensões, apenas as complementa. Quando estas últimas não podem ser instaladas, colocar um sistema de alerta de trovoadas pode ser a única opção.

Se deseja mais informação, contacte-nos. Realizaremos um estudo completo da localização a proteger e proporcionaremos uma solução adaptada às suas necessidades.