Especialistas em protecção contra o raio

Pára-raios Aplicaciones Tecnológicas - Especialistas em proteção contra o raio, sobretensões e detectores de trovoadas.

APLICACIONES TECNOLÓGICAS UTILIZA COOKIES NESTA PÁGINA WEB

Pode consultar informação detalhada sobre as cookies e a sua utilização na nossa Política de cookies.

Ao fazer click em “Aceitar e continuar” estará a reconhecer que aceita o uso de cookies no seu computador.

Queremos mantê-lo informado sobre as novidades referentes aos Sistemas de Proteção contra o Raio (para raios, proteção contra sobretensões, detetores de trovoadas), atualização das normas existentes, desenvolvimento de cursos especializados de formação, jornadas técnicas, assim como das várias aplicações e downloads disponíveis.

A deteção de trovoadas como ferramenta para prevenir acidentes na industria mineira

20/02/2019

As tempestades elétricas são acontecimentos naturais inevitáveis que podem provocar danos graves em bens, serviços, meio ambiente e inclusive por termo a vidas humanas. A indústria mineira é uma das mais suscetíveis, já que opera em zonas abertas e implica a utilização de maquinaria pesada e o manuseamento e armazenamento de materiais inflamáveis, aumentando o risco para os colaboradores (Occupational Safety and Health Administration, 2016).

ATSTORM em minas    

Segundo um estudo realizado pela indústria seguradora dos Estados Unidos, o raio causa perdas anuais de mais de cinco mil milhões de dólares (Hartford Insurance Co., 2006). Um claro exemplo na indústria mineira foi o impato de um raio na mina de ouro Porgera, na Nova Guiné, em 2006 que implicou cortes elétricos durante mais de três meses, com perdas diárias de 700.000$ (National Lightning Safety Institute, 2008).

Os custos económicos são apenas um dos muitos efeitos do raio na indústria mineira. Outras das suas implicações incluem importantes danos meio ambientais e perdas humanas.

Os colaboradores que realizam o seu trabalho em minas são um dos perfis mais afetados pelo risco da queda de raios por causa das atmosferas inflamáveis em que levam a cabo a sua atividade. As tarefas de maior risco são as relacionadas com comunicações, perfuração e transporte de materiais devido à sua localização na mina.

É indispensável que as companhias mineiras sejam conscientes das consequências deste fenómeno natural e tomem medidas para o reduzir e evitar potenciais danos. Para o conseguir, os especialistas aconselham a utilização combinada de tecnologias que permitam uma adequada prevenção e proteção perante os riscos provocados pela queda de raios.

Proteção preventiva em minas

Os técnicos confirmam que é imprescindível a utilização de sistemas de alerta prévio que permitam informar sobre cada fase de uma tempestade (inicio, crescimento, maturidade e dissipação) aos responsáveis para que possam tomar medidas preventivas como ativação de grupos eletrogéneos, paragem nas atividades de preparação de cargas, evacuação de zonas de risco ou ativação de protocolos perante incêndio.

Esta antecipação é possível graças à combinação de sensores de campo eletromagnético e campo eletrostático de alguns detetores de trovoadas. Por um lado, o sensor de campo eletromagnético permite detetar as tempestades elétricas ativas nas quais se produzem os raios e que se aproximam da zona mineira, enquanto o sensor de campo electroestático avisa das que se estão a formar na área que se deseja proteger. Desta maneira obtém-se informação fiável e precisa que permite evitar potenciais acidentes.

A utilização de ambos os sensores num sistema de alerta prévio de riscos de trovoadas elétricas, como ATSTORM®, também permite reduzir o tempo de paragem da atividade que acaba por se traduzir numa importante redução de custos para as empresas.

A ineficácia da formula 30/30

Recomenda-se utilizar um detetor de risco local em vez da tradicional fórmula 30/30 que estabelece a paragem das atividades durante 30 minutos se o tempo entre o raio e o trovão for menor que 30 segundos. Apesar de ser uma regra comummente utilizada, a sua eficácia é muito limitada.

A fórmula 30/30 permite conhecer a existência de trovoadas situadas e um máximo de seis milhas (8Km), mesmo que os especialistas concordem que se deveria utilizar alertas de um mínimo de 10 milhas (16Km), distância à qual o ouvido humano não é capaz de escutar um trovão.

Estudos recentes (Holle R., Lopez R.E., 1998) demonstram que mais de 80% das lesões e mortes por raio acontecem fora da zona onde se encontra a chuva causada pela tempestade, pelo que ter em conta apenas a distância a que se encontra é desaconselhável e perigosa. Pelo contrário, a monitorização conjunta dos campos eletrostáticos e eletromagnéticos proporciona informação de risco local podendo assim evitar acidentes.

Em conclusão, a ferramenta mais recomendável para preservar a segurança de trabalhadores em zonas abertas é um sistema de alerta local de risco por queda de raio, como ATSTORM®, desenvolvido por Aplicaciones Tecnológicas. Esta tecnologia permite conhecer a informação mais fiável e precisa evitando acidentes e reduzindo os custos com paragens desnecessárias.

Proteção externa contra o raio

É importante ter em conta que a proteção preventiva não substitui a proteção externa, apenas a complementa e evita riscos de acidentes laborais para os colaboradores a trabalharem em zonas abertas e amplas como é o caso das minas.

Para aumentar a segurança, todas as zonas mineiras que o permitam devem contar com um sistema de para-raios com dispositivo de ionização (PDI), assim como proteção contra sobretensões, que protejam de danos físicos as estruturas e equipamentos, assim como, os colaboradores perante as tensões de passo e contacto.

A principal vantagem deste tipo de para-raios é que, em comparação com outros sistemas, emite um traçador ascendente contínuo com um tempo de avanço que permite a antecipação à descida do raio e a captação antes de qualquer objeto dentro do seu raio de proteção. Como consequência, a sua área de proteção é mais ampla e a zona onde se conduz e se dissipa a corrente de raio está melhor localizada.

No caso do para-raios com dispositivo de ionização DAT CONTROLER® REMOTE, o seu desenho permite que seja totalmente autónomo graças a um sistema de verificação remota do equipamentos, sem necessidade de aceder à sua localização para comprovar o seu correto funcionamento.

Em conclusão, as minas contam com características que as convertem em lugares com alto risco de queda de raios, o que pode afetar a segurança de colaboradores e meio ambiente. Os responsáveis destas empresas devem estar conscientes da importância da utilização de tecnologia avançada que permita evitar estes acidentes.

Na Aplicaciones Tecnológicas contamos com ampla experiência na indústria mineira, sendo um exemplo a proteção e prevenção perante o raio da maior mina de ferro a céu aberto do mundo. Se necessitar de acessória em proteção contra o raio, contacte-nos.